Rubens Jardim

A poesia é uma necessidade concreta de todo ser humano.

Meu Diário
12/11/2018 13h17
O BRASIL VAI PAGAR CARO POR ESSA ELEIÇÃO

FREUD EXPLICA -- Em entrevista ao Estadão, o filho do novo presidente, deputado Eduardo Bolsonaro, o mais votado na história da Câmara, parece ter cometido um ato falho. Ele disse textualmente: "O que não é saudável é você tentar a todo custo derrubar um governo só para que os seus correligionários cheguem ao poder." Juro que pensei que ele estava se referindo ao golpe aplicado contra a presidente Dilma. Veja outras maravilhas do novo pensamento autoritário nessa entrevista. Nem na ditadura de 64 as pessoas tinham a cara de pau e a desfaçatez de afirmar tantas barbaridades.

É só clicar no link

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2018/11/12/se-for-necessario-prender-100-mil-qual-o-problema-pergunta-eduardo-bolsonaro.htm?utm_source=chrome&utm_medium=webalert&utm_campaign=politica

 

 


Publicado por Rubens Jardim em 12/11/2018 às 13h17
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
09/11/2018 20h25
MESTRE GUIMARÃES ROSA TINHA RAZÃO: A VIDA É ETC

A VIDA É ASSIM: ESQUENTA E ESFRIA, APERTA E DAÍ AFROUXA --Abro este texto com essa frase do Guimarães Rosa pra relembrar de meu pai, homem que preservou a inocência e o entusiasmo das crianças. E deve ter me transmitido isso através do dna. É claro que seu legado foi muito maior. Em música, por exemplo, lembro dele ouvindo esse concerto na rua Cristiano Viana, em alto e bom som. Eu ali perto sentindo as vibrações do violino e do corpo dele. Eu tinha uns sete anos e nunca me esquecerei desse acontecimento.Nunca me esquecerei dessa musica, de meu pai e do seu intérprete favorito:Ruggero Ricci. Nunca me esquecerei das inumeráveis vezes em que ouvimos juntos esse concerto. Nunca me esquecerei de ter assistido, muitos anos depois, no nosso Teatro Municipal, uma apresentação do Ruggero Ricci interpretando esse concerto. Foi num domingo,de manhã,eu a minha então namorada, Ana Maria Leitão. Muitos anos depois,em 1992, eu, Ana e o nosso filhote Christiano Jardim, com 5 anos, ouvimos esse mesmo concerto diante de Carcassone, em nossa primeira viagem para a Europa. Outras vezes fiz questão de mostrar ao meu pai outras gravações, com outras orquestras e outros intérpretes, pois tenho várias. Mas meu pai jamais abandonou sua fidelidade e sua preferência.E todos nós, seus filhos, agregados e descendentes, fomos ouvindo esse concerto em seu cortejo fúnebre.Pois bem: hoje, aqui na casa do mato, em Cotia, a Ana colocou esse concerto na interpretação do violinista russo Boris Belkin. Eu estava na cozinha preparando uma moqueca pro nosso almoço. Aí não aguentei e tive que dar uma parada diante daquela janela caipira aberta para a mata, aberta para o céu, aberta para aquele instante único, aberta para o horizonte, aberta para os deuses, aberta para a minha alma aberta querendo acarinhar teu rosto. Que puta saudade, pai. (no link abaixo vídeo do Boris Belkin )   
https://www.youtube.com/watch?v=GzX9GSao1QI


Publicado por Rubens Jardim em 09/11/2018 às 20h25
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
25/10/2018 16h06
DEPOIMENTO SOBRE A DITADURA MILITAR DE 64

Fiz questão de trazer aos amigos e parentes este depoimento de Arnaldo Afonso, publicado hoje em seu blog, Sarau, Lual e o Escambau, no Estadão.
Vale a pena ler o testemunho dele em relação ao período
da ditadura militar de 64.

COMUNICADO >>> Este amoroso e desarmado poeta dos saraus comunica a quem interessar possa (e aos desinformados de plantão) que viveu sua adolescência sob as botas sujas de sangue dos militares da ditadura de 1964. Este poeta já velho, mas gozando ainda de boas condições físicas e mentais, assegura que não gostou, nem tem boas recordações do obscuro período (censura, tortura, prisões, mortes, ameaças, perseguições). Por não ter sido bom, não deseja essa experiência de terror para mais ninguém. O poeta declara ainda, por julgar de utilidade pública, que nas primeiras oportunidades de votar, não titubeou: elegeu Orestes Quércia, Severo Gomes, Franco Montoro e todos os ‘oposicionistas’ que a ditadura permitia que concorressem aos pleitos manipulados de então (convém dizer que muitos líderes políticos estavam presos ou no exílio). Assim, lentamente e a duras penas, chegamos à democracia. O poeta diz ainda, caso alguém se interesse, que não importa saber o nome do adversário do ‘coiso’. Vai votar no #EleNão (o adversário do ‘coiso’ é o Haddad, mas poderia ser o Ciro, o Alckmin, a Marina, o Serra ou o FHC, tanto faz). O poeta está velho demais para suportar viver novamente sob as mesmas botas sujas do sangue de jovens brasileiros democratas assassinados. Quem pagou por esses crimes? Quantos serão mortos dessa vez? Bolsonaro, favorito nas pesquisas, disse que ‘deveriam ter matado uns 30 mil’. Este velho poeta aqui prefere evitar o confronto. Mas sabe, de antemão, que estará na resistência ao fascismo, desarmado e amoroso, engrossando a lista dos adversários do ‘coiso’ (como no poema de Gullar, ‘formaremos uma muralha com nossos corpos de sonho e margaridas‘). Dessa vez, capitão, vocês vão ter que matar mais, bem mais que 30 mil.


Publicado por Rubens Jardim em 25/10/2018 às 16h06
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
24/10/2018 13h35
ENRIQUECIMENTO A JATO

FAMÍLIA BOLSONARO ENRIQUECEU RÁPIDO-- O patrimônio declarado à Justiça Eleitoral do candidato a presidente pelo PSL aumentou 168% desde 2006, quando reelegeu-se deputado federal pelo Rio de Janeiro, de acordo com os dados disponibilizados pelo TSE. O patrimônio de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) pulou de R$ 433 mil, o equivalente a R$ 851 mil hoje, para R$ 2,286 milhões. Os bens do deputado apresentados este ano à Justiça incluem cinco casas no valor de R$ 1,384 milhão. Em 2006, Jair Bolsonaro apresentou somente um sala no valor de R$ 73 mil. O filho dele, Eduardo Bolsonaro, deputado federal mais votado do Brasil, também conseguiu ampliar significativamente seu patrimônio: de R$205 mil reais em 2014 para R$1.395 milhão. Em 4 anos uma expansão de 432%.


Publicado por Rubens Jardim em 24/10/2018 às 13h35
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
21/10/2018 01h42
DESABAFO DE UM POETA PREOCUPADO

COM A LICENÇA DE MEUS AMIGOS--Quero dizer a cada um de vocês, a partir dos meus 72 anos,que muitos podem estar equivocados na escolha do candidato presidenciável. Me espanta o fato de Bolsonaro estar no segundo turno. Me espanta mais saber que, nas intenções de voto,ele é o preferido por brancos, os mais escolarizados e os que possuem maior renda.Faço parte desse contingente de privilegiados, mas nunca me senti bem com esse troço.Sinto, de verdade, que não tenho e nunca tive mais mérito do que ninguém. Trabalhei mais de 30 anos como jornalista e já assisti espetáculos muito tristes e difíceis. Apesar disso, busco ser lúcido e civilizado. Jamais desrespeitei pessoas que vieram me agredir por minhas opções políticas. e espero manter isso até o final da minha vida. E, por certo, ela não está longe. Portanto, essa longa postagem tem destino certo: os jovens e as pessoas mais velhas que não conheceram direito a ditadura militar de 64. Ela matou e torturou muita gente.Não vou enumerar aqui seus feitos trágicos. Mas posso garantir, pois vivi esse período -e como jornalista --que muitas pessoas de bem nem sabiam o que estava acontecendo. Havia censura prévia e até um jornalão paulista passou a publicar receitas e poemas. Era uma forma de protesto da família Mesquita, do Estadão, que jamais foi associada ao comunismo e as esquerdas. Hoje, lamentavelmente, por inverdades despejadas no whatsapp, você pode estar achando o Haddad uma merda e o Bolsonaro, o salvador da pátria. Posso assegurar que ele é o candidato destruidor da pátria, destruidor da nosssa característica cultural mais importante e significativa que é o acolhimento. A abertura ao outro. A solidariedade. Peço, solicito e imploro:pense 2 vezes antes de chancelar uma pessoa que já mostrou seu temperamento, seu autoritarismo, seu desejo de aniquilar todos que não se submetem ao seu pensamento. Sou poeta desde sempre e quero, pra meus filhos e netos, uma sociedade decente, plural, onde as liberdades sejam preservadas--e respeitadas.


Publicado por Rubens Jardim em 21/10/2018 às 01h42
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 4 de 78 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras