Rubens Jardim

A poesia é uma necessidade concreta de todo ser humano.

Meu Diário
22/10/2010 17h39
SEMINÁRIO DE ARTE EM CHAPECÓ HOMENAGEIA LINDOLF BELL
APÓS BUSCAR A VIDA INTEIRA O OURO DA PALAVRA, O POETA CATARINENSE EXCLAMOU: ENTERREM-ME NA PALAVRA!

O poeta Lindolf Bell foi lembrado e homenageado durante o 2º Seminário de Arte realizado em Chapecó no final do mês de setembro. O evento recebeu Rafaela Bell,  filha do poeta homenageado e os amigos, poeta e jornalista Rubens Jardim e o artista plástico Silvio Pléticos. Os três proferiram palestra ressaltando aspectos da vida e da obra do premiado poeta das "crianças traídas".Na ocasião também houve lançamento do livro "O Ser Humano e o Destino Poético", organizado por Jovani Santos e a abertura da exposição da artista Marta Spagnol.
“Quando a galeria completou 11 anos, Bel participou do 1º Seminário que promovemos. Na ocasião ele comentou a importância de disseminar a poesia e a arte em eventos deste gênero”, comenta a marchand Mirian Soprana, uma das idealizadoras do evento. Na época, o encontro marcou a última palestra e Catequese Poética proferida por Bell. Dois meses após, o poeta morreu.
Doze anos depois, Mirian e o escritor, ator e produtor de teatro, Jovani Santos, organizaram este novo encontro. que, além de ser uma forma de homenagear o grande poeta catarinense, que dizia ter “um caso de amor com Chapecó”, serviu como um resgate histórico e um movimento em estímulo à reflexão.

LINDOLF BELL SEMPRE HONROU A PALAVRA
(depoimento de rubens jardim no livro organizado por Jovani)
 
Conheci Lindolf Bell em 1965, quando ele já havia publicado Os Póstumos e as Profecias e já havia iniciado a Catequese Poética. Foi num coquetel --e quem me apresentou ao poeta foi o cineasta Walter Hugo Khoury. A partir daí, nasceu uma intensa e profícua amizade que me levou a conhecer a poeta Iracy Gentile e a integrar a Catequese Poética.
Conviver intimamente e durante tantos anos com o Bell foi uma das melhores experiências da minha vida. Em primeiro lugar porque Bell era poeta vinte e quatro horas por dia. E fazia isso naturalmente. Não era algo forçado ou artificial. Era seu jeito de ser e de conviver. Ele acreditava piamente na palavra poética e na função transformadora do poema. E não se conformava que o povo ficasse por fora disso, sem acesso.
Por isso, criou a Catequese Poética: para levar o poeta e o poema aonde o povo está.
Mas fez isso bem antes da música do Milton Nascimento. E num contexto de fortes restrições às liberdades. Ou seja, logo após o golpe militar de 1964. E em um espaço
que não tinha nada a ver com poesia e com poetas: a boate Ela, Cravo e Canela.
Nunca me esquecerei desta lição de humildade e grandeza: Poesia é terrível soerguimento. Esta declaração do Bell parece resumir o núcleo da sua personalidade generosa, rebelde e fraterna. Ele acreditava mesmo que o papel do poeta era lutar contra a tirania da falsa linguagem, das palavras batidas e amassadas que não estão associadas à vida, à experiência e à convivência.
E é bom lembrar que, naquela época, os poetas concretos tomaram o poder, invadiram as redações e as universidades e acabaram fazendo do concretismo uma espécie de parnasianismo da ditadura militar, como observou Alexei Bueno. A poesia concreta chegou ao limite de uma poesia sem palavra. Uma poesia exclusivamente visual. Um rabisco. Um grafismo.
E Bell não suportava isso: o artificialismo que colocava o poema mais como logotipo do que  logos. Ele sempre acreditou no poder transformador e revolucionário da palavra. Principalmente da palavra poética que pode induzir tanto à subversão como ao encantamento. Ele sabia que a palavra é a melhor e mais imprecisa forma de representar o real. Nada é tão único, direto e simples quanto à palavra --e nada é tão pantanoso, nada é tão areia movediça.
Tudo isso sem falar de seu entendimento de que a poesia não é uma atividade supérflua, um babado, um acessório da cultura. Bell sabia que a poesia é uma necessidade concreta de todo ser humano. Ninguém consegue viver sem poesia. Aliás, é preciso levar em conta que a poesia esteve presente em todas as sociedades. E o simples fato dela ser tão antiga já sugere sua importância e o seu enraizamento em nossa alma.
Mais ainda: Bell sempre acreditou que a poesia não é só habilidade de lidar com palavras e escrever poemas. É também –e principalmente – um modo de viver. Uma atitude-- diante e dentro da vida. Algo exatamente igual aquilo que Octavio Paz percebeu e formulou como sendo a outra voz: a voz das paixões e das visões; é do outro mundo e é deste mundo, é antiga e é de hoje mesmo ; é sua e é alheia, é de ninguém e é de todos nós.
E pra finalizar, alguém pode deixar de se emocionar quando Lindolf Bell se diz hóspede da terra e passageiro do mundo ? Ou quando profeticamente diz “procuro a palavra fóssil, a palavra antes da palavra. Esta que me antecede e se antecede na aurora e na origem do homem. E porque o minifúndio se faz na terra da palavra, Enterrem-me na palavra.”  




Publicado por Rubens Jardim em 22/10/2010 às 17h39
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras