Rubens Jardim

A poesia é uma necessidade concreta de todo ser humano.

Meu Diário
02/01/2018 11h53
O POETA DE ZARATUSTRA

"A linguagem simbólica pode ter sido a forma que Nietzsche encontrou de escapar ao aprisionamento da gramática, de superar a pressão da linguagem, sair do círculo percorrido
pelos filósofos e não ficar somente na intelectualidade – não ser apenas mais uma repetição. Zaratustra não quer conservar – ele veio para transformar, para inovar"
(extraído da dissertação de mestrado de Ester Fridman.Só há poucos dias fiquei sabendo de nossa paixão comum por Nietzsche.Particularmente pelo Zaratustra, lido em períodos diferentes de nossas vidas: eu qdo adolescente e ela já mulher feita.)

Sempre achei o Zaratustra um tremendo poema, desde a primeira vez que li, na adolescência.Voltei a ele infindáveis vezes e essa primeira impressão era sempre confirmada. Até hoje é assim. Esse bigodudo martelava a linguagem e transgredia princípios e valores. E fico feliz com a hipótese trabalhada por Ester: ela é coincidente com a minha percepção instintiva de que o Zaratustra é um livro escrito em linguagem simbólica, que é a linguagem dos criadores e dos poetas. E tem mais: nessa dissertação a autora sugere que esse processo utilizado por Nietzsche, no Zaratustra, é para espíritos não-gregários, uma vez que não foi escrito em uma linguagem gregária.


Publicado por Rubens Jardim em 02/01/2018 às 11h53
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras