Rubens Jardim

A poesia é uma necessidade concreta de todo ser humano.

Meu Diário
09/07/2018 01h21
Sobre a confusão em torno da liberdade de Lula.

Pra quem quiser entender a interferência do Moro e do desembargador João Gebran nesse imbróglio jurídico. Tudo muitoi bem explicadinho.

Os Tribunais no Brasil funcionam em determinadas ocasiões em regime de plantão (finais de semana, feriados etc.). Para que sejam evitados casuísmos e direcionamentos, isto é, seja recepcionado o princípio do juiz natural, há escala de plantonistas, na qual os desembargadores e ministros se revezam no serviço e, nessas ocasiões, decidem as questões pelo respectivo Tribunal.

Foi o que ocorreu com o Desembargador Rogério Favreto, decidindo Habeas Corpus que lhe foi regularmente distribuído pelo TRF 4. Região. Logo, o Desembargador Rogério Favreto é o juiz natural do TRF 4. Região durante o plantão, sendo assim, são inquestionáveis sua competência e sua jurisdição em todas as ações criminais que lhes forem confiadas, como é o caso do Habeas Corpus do Presidente Lula.

A confusão só se instaurou por conta de o paciente do Habeas Corpus ser o ex Presidente Lula.

Foge integralmente à ciência do processo os passos seguintes, em que o juiz Sérgio Moro se manifesta sobre processo (HC) não submetido à sua jurisdição, de modo que é estapafúrdio seu despacho em que assevera a incompetência do Desembargador Favreto, como se fosse guardião/revisor das decisões judiciais que envolvam o Presidente Lula.

Já a decisão do Desembargador João Gebran é ainda mais extravagante, pois sua decisão ocorre a partir de consulta que lhe é formulada pelo juiz Moro, como se pode verificar na seguinte passagem: “Ante o exposto e em atenção à consulta formulada pelo Juízo da 13a Vara Federal de Curitiba/PR nos autos da Ação Penal no 5046512-94.2016.4.04.7000/PR”. Essa figura processual não existe e, se existisse, João Gebran só poderia decidir quando terminasse o plantão, ocasião em que os processos distribuídos ao plantonista (Rogério Favreto) lhe fossem atribuídos.

Assim, ante concessão de liberdade exarada em Habeas Corpus, a decisão de um Desembargador é confrontada por juiz (Sérgio Moro) que não apenas é de piso, portanto, que não tem atribuição para revisar decisões de Tribunal, como o Desembargador que não está em exercício da jurisdição (Gebran Neto) responde a ato processual inexistente (consulta), pois juiz sem jurisdição (Sérgio Moro) não pode manejar recurso de ofício, quanto mais a uma figura não prevista nos recursos (consulta) e agindo como se fosse órgão capaz de manejá-lo, isto é, o Ministério Público.

Trata-se de mais uma situação que leva ao descrédito do Judiciário. Por que? Porque é nítida a percepção de que as regras e as normas jurídicas são submetidas aos caprichos e às vontades dos juízes, que nem sequer disfarçam o engajamento na causa, efetivando o que se conhece como decisionismo judicial.

Reparem o seguinte: a força das decisões judiciais é apenas simbólica. Se elas podem não valer para soltar, porque devem valer para prender?"

Por Luiz Moreira
Advogado, foi integrante do Conselho Nacional do Ministério Público.


Publicado por Rubens Jardim em 09/07/2018 às 01h21
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/07/2018 01h16
AS PALAVRAS

"Durante muito tempo tomei minha pena por uma espada: agora, conheço nossa impotência". Gosto muito dessa frase de Sartre,registrada no livro As palavras, de 1964.Sempre admirei o seu inabalável ativismo político. Ele nunca ficou alheio ou indiferente as grandes questões sociais da humanidade. Sempre se posicionou e tomou partido. Um homem de ação e de pensamento. Mas essa frase voltou à tona em razão da minha preocupação com manifestações raivosas, aqui e acolá. E elas estão presentes em quase todos nós, infelizmente. Quantos desentendimentos --até amorosos-- são resultantes de uma palavra mal colocada? Pois é. A palavra, dependendo do momento, vira espada, machuca e pode até cortar pescoço!!! Ou seja: a palavra instala uma realidade. Foi refletindo sobre esses troços que me ocorreu este poeminha que divido com os amigos.

A palavra subverte
vertente e nascedouro
ela é a porta e a voz


Publicado por Rubens Jardim em 09/07/2018 às 01h16
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
08/07/2018 01h24
SARAU DA PAULISTA

Esses poetas já confirmaram participação: Celso de Alencar, Silvia Maria Ribeiro, Daniel Perroni Ratto, Roza Moncayo, Paulo Cesar de Carvalho, Lenita Estrela de Sá, Hamilton Faria, Luiza Silva Oliveira, Fabiano Fer5nandez Garcez, Karine Kelly Pereira, Carlos Ildefonso, Sandra Regina, Paula Vaaléria Andrade e Adyla Maciel.(nas fotos).


Publicado por Rubens Jardim em 08/07/2018 às 01h24
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
08/07/2018 01h16
LEOPOLDO II, DA BÉLGICA, UM DOS REIS MAIS SANGUINÁRIOS

Hitler foi um homem péssimo, mas o rei Leopoldo da Bélgica, que era dono do Congo, talvez tenha sido pior. Suas ações mataram dez milhões de africanos. Levando em conta a pequena população da Bélgica, se comparada à Alemanha, talvez tenha sido uma das piores chacinas per capita da história. 
E ainda há estátuas dele na Bélgica. Imaginam se houvesse monumentos a Hitler na Alemanha? (do professor e ex-ministro da educação de Dilma, Renato Janine Ribeiro)


Publicado por Rubens Jardim em 08/07/2018 às 01h16
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
08/07/2018 01h04
ELA ESTÁ NA SÉRIE AS MULHERES POETAS

DORA FERREIRA DA SILVA(1918-2006) -- Todos os que amam verdadeiramente a poesia reservam um espaço especial pra essa mulher poeta.Com uma trajetória de mais de 50 anos dedicados à poesia, três vezes ganhadora do Prêmio Jabuti, autora de livros como Andanças, Talhamar, Retratos de Origem, Poemas da Estrangeira e Hídrias,Dora legou-nos também uma contribuição muito importante na tradução de poetas.Sua tradução das Elegias de Duino, de Rilke,já foi elogiada e aplaudida por grande número de especialistas. Trouxe para nossa língua nomes como Saint-John Perse, Holdeerlin, San Juan de la Cruz--sem falar que foi ela que fez as primeiras traduções para o português da obra do psicólogo suíço Carl Gustav Jung.. Atuou também como editora, fundando a revista Diálogos e, mais adiante, a revista Cavalo Azul, para difusão de poesia.Criou também um Centro de Estudos de Poesia com esse mesmo nome.Segundo vários estudos críticos, Dora possui estilo vigorosamente pessoal, helenizante.Alguns dizem que a sua poesia ronda o tempo todo as fronteiras do sagrado. Pois bem: essas duas dedicatórias, que divido com amigos, possuem esse mesmo caráter: são sagradas para mim. E só não estarei presente amanhã, na Casa das Rosas, por estar fora de São Paulo.Mas presenteio os leitores com este belíssimo poema de Dora.

NASCIMENTO DO POEMA
É preciso que venha de longe
do vento mais antigo
ou da morte
é preciso que venha impreciso
inesperado como a rosa
ou como o riso
o poema inecessário.

É preciso que ferido de amor
entre pombos
ou nas mansas colinas
que o ódio afaga
ele venha
sob o látego da insônia
morto e preservado.

E então desperta
para o rito da forma
lúcida
tranqüila:
senhor do duplo reino
coroado
de sóis e luas.


Publicado por Rubens Jardim em 08/07/2018 às 01h04
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 7 de 74 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras