Rubens Jardim

A poesia é uma necessidade concreta de todo ser humano.

Meu Diário
23/07/2019 00h21
POEMA CELEBRANDO A ILHA GREGA DE SANTORINI

A CHEGADA EM SANTORINI
O barco aportou em Santorini
e o tumulto despertou meu coração 
menino. “Para Thira? Sim, nós te levamos
para Thira. Venha conosco.”
Preso à minha língua, e ao cativeiro de
meu corpo, não sei para onde vou.
Só sei que vou por aí, celebrando
sinais antiquíssimos, indícios
da sentença délfica entre
o fogo divino e a taça repleta.

Apesar disso, um burburinho de vozes 
preenche meus ouvidos.São sons familiares. 
Vestígios de imagens que saltam de poemas 
antigos. Mas tudo isso é intraduzível
diante da turbulência desse cáis.

Onde os mitos, os monastérios,
as tumbas, e as mensagens dos deuses?

Onde a triunfal cidade, os negociantes 
de azeite e vinho ? Onde os tronos, 
os templos e os vasos cheios de néctar?

Acho que o amigo poeta tinha razão:
eu também fui visitar a Grécia 
e ela não estava lá.
Estavam turistas de todas as partes, 
mochilas, walkmans,cameras fotográficas,
filmadoras, laptops, celulares e até os últimos
e inúteis desafios da razão moderna.

Mas cadê a presença da lira melodiosa,
da gaita pastoril e da ária de himeneu?
Os antigos erguiam deuses, catedrais
e trabalhavam com arados, bigornas e charruas.

E o que fazemos nós com as chaves perdidas,
as portas ausentes, e os deuses mortos que
sairam da terra e das nossas almas 
e ficaram suspensos entre a imagem e a palavra
a abstração e o objeto, a idéia e a coisa.

Recorrência e surpresa.

Será assim o meu grito
diante da boca agonizante de Apolo?
Ou invocarei Dionísio, 
o deus bailarino para uma contradança?

Por incrível que pareça estou aqui agora, 2003, 
e sinto que não vou mais achar a água 
limpa para lavar os meus olhos. Meu destino 
está suspenso entre a entrega e a reserva
entre o grito e o silêncio, 
entre a festa e o velório.
e todas as coisas solitárias que amo sem compreender.

Entro no ônibus, absolutamente lotado.
Turistas de todas as partes do mundo não confraternizam comigo.
Estou mais sozinho e inutil do que os dourados carros de combate
ou os antigos e sacros teatros que se calaram para sempre.


Publicado por Rubens Jardim em 23/07/2019 às 00h21
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras