Rubens Jardim

A poesia é uma necessidade concreta de todo ser humano.

Meu Diário
27/12/2018 18h08
LULA FOI LEVADO PELO POVO AO PALÁCIO E COMO ELE É DO POVO NUNCA PRECISOU DE PROTEÇÃO

Até o espaço aéreo de Brasília estará fechado para a cerimônia de posse do novo presidente.As medidas de segurança em terra também serão reforçadas.A diferença é gritante com a festa do povo que colocou Lula no Palácio do Planalto. E eu estive lá, com minha família só pra compartilhar da alegria do povo.


Publicado por Rubens Jardim em 27/12/2018 às 18h08
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
27/12/2018 17h44
CAZUZA PROFETIZOU: BRASIL MOSTRA A SUA CARA!!!


Publicado por Rubens Jardim em 27/12/2018 às 17h44
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
25/12/2018 19h41
DESCE, SENHOR,DESSA CRUZ CARCOMIDA POR CUPINS

TAMBÉM AQUI ESTOU

Também aqui estou, Thiago de Melo.
Cara a cara com a vida
e com as grades do mundo ocidental.
Mundo cristão e civilizado
que há milênios de farsa e de força
comemora o aniversário do homem chamado senhor.

Estou num ônibus parado
que me leva para a minha amada
também cansada do trabalho 
pelo aniversário 
do menino chamado senhor.

Todos trabalham
(não para a festa larga e geral, Thiago)
mas para festas divididas
fechadas e trancadas
em casas com nomes de lares.

A cidade (sempre apagada)
acende luzes coloridas
mas nada ilumina
além do luxo na vitrina
e do lixo na calçada.

Desce, senhor, dessa cruz
carcomida por cupins de 1900 anos
e conhece a criança do mundo novo.
Crianças com mil brinquedos
fabricado por pais
de outras mil sem nenhum.

Desce, senhor, dessa cruz
hoje pela indústria multiplicada
e levada para a mesa do delegado
e para a cama da prostituta.
(ontem fornicava
e tu, com teus braços abertos
abençoavas 
a prostituição do mundo moderno.)

Desce, senhor, desse pedestal da neutralidade
e vê o homem com a fronte molhada
por um trabalho sem ternura.

Ninguém aprende tua lição, Thiago.
Ninguém te conhece, Klail Gibran.
Ninguém te vê, Jesus, fora dessa cruz.

Desce, senhor, ainda este ano
e faze uma nova criança.
Ainda este ano, senhor
de mil novecentos e sessenta e cinco.

Grita, senhor, ainda este ano
a grande notícia
de que os deuses estão mortos
e que todos somos homens.
Revela, senhor, ainda este ano
a farsa que tu és
e o crime que cometes aí crucificado.
Fala, senhor
para um mundo com o nome de civilizado
que tu és o mesmo homem
que hoje morre na forca
cadeira elétrica, câmara de gás.
Que tu és o mesmo homem
que hoje morre de riqueza
sede e fome.

AUTOR: Ademar Cardoso de Souza, livro: No Coice da Noite. Editora Monções 1973.


Publicado por Rubens Jardim em 25/12/2018 às 19h41
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
25/12/2018 02h56
TODOS DEVEMOS COMBATER A DESIGUALDADE

PAPA FRANCISCO celebrou a tradicional Missa do Galo diante de 10 mil pessoas na praça de São Pedro, no Vaticano, e instou o mundo desenvolvido a busca de uma vida mais simples e menos materialista, ao mesmo tempo em que condenou o aumento da disparidade entre ricos e pobres. Entre outras coisas cabe destacar esta: "Diante da manjedoura, entendemos que a comida da vida não são riquezas materiais, mas o amor; não a gula, mas a caridade; não a ostentação, mas a simplicidade".


Publicado por Rubens Jardim em 25/12/2018 às 02h56
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
22/12/2018 18h27
FOI ESSE JESUS LIBERTÁRIO QUE ME CONVERTEU

O JESUS QUE EU ADMIRO foi um poeta palestino que declarou para quem quisesse ouvir: “É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus.” Ele bebia vinho em festas, conversava com ladrões e prostitutas, gostava de crianças, desafiava mercadores e rabinos nos templos, defendia os mais pobres, socorria os doentes e por isso mesmo foi perseguido pelas autoridades religiosas judaicas e pelo imperialismo romano: foi preso por motivos políticos, torturado e executado pelas forças de ocupação na Palestina. Em vida, nunca declarou ser Deus, nunca foi candidato a nada, não fundou igrejas, nem enriqueceu. Defendeu a paz e a fartura para os seres humanos. Infelizmente, muitos que dizem ser cristãos nunca entenderam o que ele disse e o transformaram num ícone para a manipulação dos povos por governos corruptos e autoritários, para o enriquecimento ilícito, e ainda transformaram a data de seu aniversário num evento comercial, para dar ainda mais dinheiro para as empresas capitalistas. O Jesus que eu respeito não tem a ver com isso.
Claudio Daniel


Publicado por Rubens Jardim em 22/12/2018 às 18h27
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 5 de 83 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras